A Tabela IRRF é utilizada para calcular o valor de Imposto de Renda Retido na Fonte para pessoas físicas. Ela é utilizada pelas empresas para fazer o cálculo do valor e saber quanto será descontado do salário do empregado com o imposto.

A cada ano, todo trabalhador precisa ficar atento à Declaração do Imposto de Renda para se manter com o nome regular junto à Receita Federal. A questão, porém, é que para muita gente, alguns assuntos relacionados a esse tema ainda geram muitas dúvidas.

O valor cobrado pelo Imposto de Renda Retido na Fonte – IRRF varia de acordo com o salário recebido. A porcentagem do imposto cobrado e o valor a deduzir é calculado com o tabela divulgado pelo Governo Federal no início de cada ano. As alíquotas cobradas  variam de 7,5% a 27,5% do salário mensal.

Para verificar o valor a ser cobrado de Imposto de Renda sob seu salário, basta verificar as faixas salariais na tabela do ano de 2016 abaixo:

Tabela IRRF 2018

Confira a tabela do IRRF 2018

Tabela IRRF 2018
Base Salarial Imposto Retido Valor Deduzido (R$)
Até R$1.903,98 Isento
De R$1.903,99 até R$2.826,65 7,5% 142,80
De R$2.826,66 até R$3751,05 15% 354,80
De R$3.751,06 até R$4.664,68 22,5% 636,13
Acima de R$4.664,68 27,5% 869,36

Imposto de Renda para aplicações financeiras

Investimentos de renda fixa e renda variável também podem sofrer com incidências de Imposto de Renda. As alíquotas no entando variam de acordo com o tempo do investimento, e não do valor investido ou recebido. Confira a lista do IR cobrado para investimentos:

  • 22,5% para aplicações com prazo de até 180 dias;
  • 20,0% para aplicações com prazo de 181 até 360 dias;
  • 17,5% para aplicações com prazo de 361 até 720 dias;
  • 15,0% para aplicações com prazo acima de 720 dias.

 

Tabela IRRF 2017

Confira a tabela do IRRF 2017

Tabela IRRF 2017
Base Salarial Imposto Retido Valor Deduzido (R$)
Até R$1.903,98 Isento
De R$1.903,99 até R$2.826,65 7,5% 142,80
De R$2.826,66 até R$3751,05 15% 354,80
De R$3.751,06 até R$4.664,68 22,5% 636,13
Acima de R$4.664,68 27,5% 869,36

Para o ano de 2016, valor mínimo cobrado com o IRRF será de R$142,80, já o máximo será de R$869,36. A à incidência do imposto retido na fonte se dá sobre os rendimentos de pessoas físicas ou jurídicas, os rendimentos do trabalho não assalariado pagos por pessoa jurídicas, os rendimentos de aluguéis e royalties pagos por pessoa jurídica e os rendimentos pagos por serviços entre pessoas jurídicas, tais como os de natureza profissional, serviços de corretagem, propaganda e publicidade.

Restituição

Se o empregado pagou mais de IR do que devia ao Fisco, tem direito a receber a diferença dos pagamentos dos valores em conta. Saiba mais.

A título de consulta e informação, confira abaixo as tabelas de todos os anos do IRRF, desde o ano 2002.

Outras Tabelas

Tabela IRRF 2016

Tabela IRRF 2016
Base Salarial Imposto Retido Valor Deduzido (R$)
Até R$1.903,98 Isento
De R$1.903,99 até R$2.826,65 7,5% 142,80
De R$2.826,66 até R$3751,05 15% 354,80
De R$3.751,06 até R$4.664,68 22,5% 636,13
Acima de R$4.664,68 27,5% 869,36

O que é imposto de renda?

irrf

Todas as rendas que os cidadãos têm precisam de recolhimento de imposto. Afinal, se a pessoa tem X rendimentos, uma parcela daquilo vai para a Receita Federal e será usada em muitos tipos de serviços, sendo esse o imposto de renda. Sempre que a pessoa recebe um holerite, por exemplo, estão ali alguns descontos referentes a essa tributação, ocorrendo o mesmo quando são pagas mensalidades escolares e outros gastos.

Porém, para que a Receita Federal tenha uma espécie de apanhado de tudo o que foi contribuído, ela solicita que se faça a Declaração de Imposto de Renda. Isso é realizado por um sistema eletrônico e esse documento é o que livra os cidadãos e as empresas de multas por conta de sonegação, o que é conhecido popularmente como “malha fina”.

Quem é obrigado a fazer a Declaração do Imposto de Renda?

Apesar de esse imposto fazer referência aos rendimentos que as pessoas recebem, não é todo cidadão que é obrigado a declarar, mas apenas aqueles que receberam no ano anterior mais que a quantia que a Receita Federal estabelece a cada ano. Para conhecer qual é a o valor-base que faz com que essa declaração seja necessária, é necessário conferir sempre as atualizações da Receita Federal.

Existem alguns tipos de rendimentos que não precisam ser mencionados na declaração, como os uniformes que os chefes dão aos seus colaboradores, além da sua comida. Caso a pessoa seja deficiente mental e tenha pensão, também não é necessário declarar. As heranças e também as variadas indenizações são outros ganhos que são dispensados da declaração do IR.

Deve-se citar que os indivíduos que são beneficiados com qualquer auxílio financeiro por causa de AIDS não necessitam fazer a declaração, adicionando-se a essa isenção outras doenças também.

 

Quando a União instituiu o imposto de renda?

No ano de 1943, o governo brasileiro começou a considerar como poderia reter os impostos de acordo com o vencimento de cada cidadão. Contudo, isso não teve tanto sucesso porque eram poucos os contribuintes do país e, assim, o ganho que os impostos representariam não seria tão alto.

Após a federação tentar outras declarações diferentes, chegou-se à forma que os brasileiros utilizam todos os anos: desde 1922, existe essa modalidade de recolhimento, sendo ela modernizada por causa da Internet. Agora, a declaração é sempre realizada através de programas virtuais.

Outra alteração que veio no decorrer dos anos é referente à base de cálculo, além daquilo que é ou não isento. Vale dizer que a Receita Federal também pode modificar a cada ano as alíquotas: no ano de 2012, o valor ficava entre R$ 27,5% e a isenção, sendo aquela porcentagem para custos superiores a R$ 2.625,00. Já em 2015, a alíquota de 27,5% era referente aos valores maiores que R$ 4.664,00.

Para que o imposto de renda é pago?

O imposto de renda tem a finalidade de fornecer aos órgãos públicos a devida receita para que sejam realizados investimentos. Mesmo que tudo seja declarado apenas ao sistema da Receita Federal, o uso dos valores não é somente para o Governo Federal: até as municipalidades podem fazer reformas, por exemplo, com o recurso que é mandado e que vem do IR, sem falar dos governos estaduais.

As áreas para as quais esses recursos são liteis são numerosas: os governos de qualquer esfera podem utilizá-los para reformas nos transportes e para a aquisição de novos veículos de transporte público, além de pagar os servidores e até de construir espaços para que os cidadãos tenham lazer. É claro que a Saúde é um dos segmentos para os quais mais se espera que o recurso vá: ele pode ter serventia para comprar remédios e para equipar salas que são utilizadas para as cirurgias, por exemplo.

Outro setor para o qual o imposto de renda pode ser mandado é a Educação. Com esse recurso, é possível manter bolsas de estudos que vêm de programas como o Financiamento Estudantil (Fies) e outros, além de pagar os professores e de levar mais comodidade para as escolas. Até a criação de creches, que é sempre um dos temas educacionais mais abordados em campanhas, fica mais simples quando se tem esse rendimento para usar.

Despesas descontadas no IR

Alguns gastos do trabalhador podem ser deduzidos do importo de renda, como custos com educação e saúde. Veja mais.